segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Mãe argentina luta para dar "morte digna" para bebê em estado vegetativo



Mulher enviou carta pedindo a presidente Cristina Kirchner para pedir a eutanásia da filha





Fotografia do jornal argentino Clarín mostra a mãe Silvia Herbón carregando sua filha Camila, nascida em estado vegetativo. Silvia enviou uma carta a presidente Cristina Kirchner para pedir a aplicação da lei de "morte digna", como é chamada a eutanásia no país



A mãe de um bebê em estado vegetativo irreversível desde seu nascimento pediu à presidente argentina, Cristina Kirchner, a "urgente" aplicação de uma lei de "morte digna", como é chamada a eutanásia no país.

Silvia Herbón afirmou que sua filha, Camila, é vítima de uma "clara obstinação terapêutica", e solicitou a "ajuda" e a "compreensão" da governante em carta divulgada nesta segunda-feira (17) pelo jornal Clarín.

- Há dois anos e cinco meses que esta dor nos acompanha; vejo minha filha ter seu corpo dilacerado por sondas e cânulas, queimaduras e pelo insistente uso da tecnologia no tratamento, em uma demonstração clara de obstinação terapêutica da qual meu bebê é vítima.

Ela também mencionou o fato de a governante ter conhecido o "sofrimento" de "perdas irreparáveis", em referência à morte de Néstor Kirchner, seu marido e antecessor na presidência do país.

Silvia lembrou que três comitês de bioética disseram que o quadro clínico da menina é irreversível, mas os médicos se negam a desligar os aparelhos que a mantêm viva por receio de uma ação judicial.

O caso de Camila, que se tornou público em agosto, reabriu o debate parlamentar da eutanásia, já que uma lei sobre os direitos do paciente em relação ao sistema de saúde, publicada em 2009, não é aplicada por falta da regulamentação do governo.

No Parlamento, há projetos de diversas forças políticas para regular a "morte digna" por meio da alteração da lei de 2009, mas o debate caminha a passos lentos.

"É nosso desejo que esta lei seja regulamentada urgentemente: não queremos pensar em outro Natal para minha família vendo o estado da minha filha piorar pela existência de um vazio legal", afirmou a mãe de Camila em sua carta à presidente.

Silvia garantiu que o arcebispo de Buenos Aires, Jorge Bergoglio, "manifestou concordar" com o pedido de "limitação do esforço terapêutico, inútil neste caso", apesar de a Igreja Católica não ter feito nenhum comentário oficial sobre o assunto.

R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário