terça-feira, 6 de setembro de 2011

Planta nativa ameaça o gado no Meio-Oeste de Santa Catarina


Conhecido popularmente como timbozinho, vegetal já matou 17 cabeças em fazenda da região


A ingestão de uma planta nativa da costa do Rio Uruguai está intoxicando bovinos em propriedades do Meio-Oeste catarinense. Folhas de árvores popularmente conhecida por timbozinho, que pode chegar a 10 metros de altura, já mataram 17 cabeças de gado em uma propriedade do interior de Campos Novos, somente neste ano. Não há registro de malefícios aos seres humanos.

Um dos principais problemas dos pecuaristas, além do prejuízo financeiro, é o fato de que a planta não pode ser cortada, por se tratar de espécie nativa. Além de matar o gado, o timbozinho também tem efeito abortivo. Cerca de 25% das vacas perderam a cria nos últimos três meses da gestação.

O dono da fazenda, Fernando Roberto Valmórbida, conta que o timbozinho ataca o coração do boi, causando ataques fulminantes. Ele relata que os animais intoxicados começam a apresentar tremedeira após ingerir as folhas da árvore que caem ao chão.

A intoxicação não é imediata, mas se manifesta diante de qualquer esforço físico dos animais. No inverno, quando a pastagem é mais escassa, a situação fica ainda mais difícil. Isso porque o timbozinho é uma das primeiras plantas que começam a brotar. Com isso, o verde atrai a atenção dos animais, que acabam ingerindo as folhas.

Segundo Antonio Maria Hermes, veterinário e pesquisador da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), o problema se agrava porque a árvore é comum na região e não existe em outras partes do Brasil. A s ubstância tóxica do timbozinho é produzida durante todo o ciclo da planta e tem efeito cumulativo no organismo dos animais. Conforme Hermes, as folhas murchas, que acabam se misturando à pastagem, têm efeito ainda mais intenso.

— O produtor não deve podar os galhos, pois eles crescem com mais força — orienta o pesquisador da Cidasc.
DC
Daisy Trombetta | daisy.trombetta@diario.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário