terça-feira, 23 de agosto de 2011

Confirmada morte de terceiro assaltante após tiroteio em avenida de Balneário Camboriú




Avenida das Flores virou front de batalha entre policiais e bandidos que assaltaram família
Três criminosos morreram após um tiroteio nesta segunda-feira em Balneário Camboriú, no Litoral Norte de Santa Catarina, e três policiais militares ficaram feridos na ação. Os assaltantes estavam fortemente armados, e a polícia acredita que não sejam da região.


A cena de terror na cidade começou com um assalto a uma casa no Bairro das Nações, quando os criminosos tentavam fugir. Dois tentaram render o motorista de uma caminhonete que vinha da Marginal Leste, mas não conseguiram abrir a porta do veículo.

Segundo testemunhas, ao perceber que estava cercado, um dos assaltantes teria erguido as mãos em sinal de rendição, o que não é confirmado pela Polícia Militar. Mas o outro assaltante escondeu-se atrás do carro e continuou atirando.

Em poucos minutos, a avenida havia se tornado zona de guerra.
— Eram muitos tiros. Eu ouvi pelo menos 30 disparos — contou um rapaz que desceu da moto e correu ao perceber o tiroteio.


Apesar do risco, motoristas que passavam pela BR-101, próximo ao local da ação, pararam para assistir a ocorrência e o trânsito ficou lento na rodovia.

Os dois assaltantes que tentaram render o motorista da caminhonete acabaram baleados pela polícia — um morreu no local e o outro morreu à noite no hospital. Com nenhum dos suspeitos portava documentos, eles permanecem sem identificação.



Outro assaltante morreu na fuga

Um dos criminosos conseguiu fugir. Ele rendeu o comerciante Gilmar Lins Caldas, 53 anos, que dirigia pela Avenida das Flores. Para fazê-lo parar, o assaltante, baleado na cabeça, atirou contra a porta do SpaceFox da vítima.

Caldas dirigiu por alguns metros e atravessou o túnel sob a BR-101 que dá acesso ao bairro Monte Alegre, em Camboriú, até perceber que o bandido havia desmaiado:

— Quando vi que ele não se mexia, parei o carro. Naquele momento, pensei em tudo, até que fosse morrer. Tive medo que a polícia me confundisse com os assaltantes.

O homem que o rendeu morreu minutos depois, ainda dentro do carro, estacionado em um posto de combustíveis.

Feridos

Três soldados da Polícia Militar também acabaram baleados. Rodrigo Eupídio Cardoso, da radiopatrulha, foi ferido na coxa; Gerson José Schroeder e Antônio Carlos Batista, ambos do Pelotão de Policiamento Tático (PPT), foram feridos nos joelhos. Até o final da tarde, apenas Batista continuava internado. Ele foi submetido a uma cirurgia, mas passa bem.

Família de joalheiro foi feita refém

Quando foram localizados pela polícia, os três assaltantes fugiam de uma casa na rua Tailândia, no bairro das Nações. Eles haviam mantido a família de um comerciante, dono de uma rede de joalherias, refém durante duas horas.

O imóvel foi invadido ainda de madrugada. Os assaltantes arrombaram a porta da garagem e ficaram ali, escondidos, até que a filha do dono da casa e o marido saíam para trabalhar.



Ao todo, cinco pessoas ficaram em poder dos bandidos e foram obrigadas a entregar dinheiro, joias e eletrônicos. Na fuga, os assaltantes levaram o carro de uma das vítimas, um Jetta, com o qual foram interceptados.

Segundo a polícia, a abordagem foi possível porque, no momento em que passavam pela Avenida das Flores, um caminhão cruzou na frente dos bandidos. Segundo testemunhas, os assaltantes teriam iniciado a troca de tiros.

Com os criminosos foram apreendidas três pistolas, duas de calibre 380 e uma nove milímetros, de uso exclusivo das Forças Armadas. De acordo com a delegada Luana Backes, da Divisão de Investigações Criminais (DIC), os primeiros levantamentos indicam que a quadrilha seria do Rio Grande do Sul.

A polícia trabalha com a possibilidade de mais dois criminosos terem participado do assalto, mas eles não foram localizados.
JORNAL DE SANTA CATARINA
Fotos: Crédito: Jandyr Nascimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário